Arquivo para agosto, 2008


Vai começar a investir agora? Leia esse post primeiro


Uma das maiores dificuldades para conseguir um investimento de sucesso é traçar uma estratégia. E mais difícil do que traçá-la é segui-la.

Qualquer investidor, por mais iniciante que seja, precisa ter em mente um plano, uma regra, uma estratégia de investimento que deve ser seguida ao longo do tempo.

Vou comentar nesse post alguns parâmetros que sigo para traçar a minha.

O primeiro de todos: Quanto de risco você está disposto a correr?

Essa pergunta é básica e todo o investidor deve fazer uma auto-análise para ver o quanto de risco está disposto a correr.

Quanto maior o risco, maior o lucro (ou prejuízo).

Eu me considero um investidor de risco médio-alto. Mantenho em minha carteira de ações 70% em blue ships (empresas grandes e consolidadas como Petrobrás e Vale) e 30% em small caps (empresas pequenas e com boas chances de crescimento como Mangels e Confab) e dinheiro especulativo (apostas para o curto-prazo).

Qual o tempo que você vai deixar o seu dinheiro investido?

Uma regra que você tem que ter clara é por quanto tempo seu dinheiro ficará aplicado. Você planeja comprar um carro ou um apartamento? É um dinheiro que só vai ser usado na aposentadoria? Vai usá-lo para pagar sua viagem de formatura? Vai pagar uma pós-graduação?

Após fixado o prazo, aloque sua carteira de acordo com o tempo que ela ficará investida. Quanto menos tempo, menor deve ser a parcela em investimentos de risco como ações.

Minha carteira é para longo prazo, algo em torno de 10 anos. Levando em conta o risco que quero correr (médio-alto) e o prazo vou ficar investido, divido minha carteira da sequinte maneira: 40% em renda fixa, 30% em multimecados e 30% em ações.

Que tipo de análise você seguirá?

Existem dois tipos de análise para a compra e venda de ações: a fundamentalista e a técnica. Estude as duas profundamente e veja qual tem mais o seu perfil. Ambas têm suas vantagens e desvantagens, mas nenhuma é 100% certa ou 100% errada.

Eu, como um investidor de longo prazo, optei pela análise fundamentalista. Gosto de escolher minhas empresas pelo que elas realmente são. Antes de comprar qualquer ação, analiso seu valor intrínseco, suas projeções, a perspectiva do setor, etc.

Utilizo a analise técnica apenas para ver se é uma boa hora para compra. Sempre dou uma olhada no gráfico, vejo seu IFR (índice de força relativa), sua tendência. Mas em nenhum momento uso essa análise escolher a empresa que vou investir, apenas para achar uma possível hora para entrar

Após a compra, acompanhe as notícias e relatórios da empresa

Depois de adquirir ações de uma empresa, não jogue-as no limbo. Acompanhe sempre o que ela está fazendo, as aquisições, as reestruturações. É um costume trabalhoso.

Uma vez a cada quinze dias dê uma procurada por notícias das suas empresas, leia o que a mídia está falando dela. Você pode usar esse site para procurar www.google.com/news.

Mantenha uma disciplina e siga o seu plano

Esse é o item mais difícil. Após traçar sua estratégia de investimento, siga ela a risca. Com toda a certeza do mundo, você passará por crises na bolsa. É nessa hora que um investidor fraco se distingui de um investidor de sucesso. É muito difícil manter a disciplina quando você comeca a perder dinheiro.

Sempre que ficar nervoso com as oscilações do merdado, reveja suas estratégias. Pensem no prazo que você fixou, nos ganhos acumulados desde que comecou a investir, leia esse post de como agir em épocas de crise, mantenha a cabeça fria.

O momento que estamos vivendo agora é um ótimo exemplo para testar a sua disciplina.

 

crédito da foto: http://www.more4kids.info/index.php?tag=saving-money

Como investir em épocas de crise?

Num momento delicado como o que estamos passando, a melhor estratégia para um investidor consciente é manter-se calmo e racional.

Todo investidor, por mais iniciante que seja, precisa seguir uma estratégia ao investir. Ele precisa ter claro em sua mente os prazos de seu investimento, o tipo de estudo que vai fazer para comprar ações (análise fundamentalista ou técnica), a alocação do dinheiro que vai para ações, renda fixa, multimerdados.

Em uma época como essa é que o investidor é testado. É na crise que sabemos se ele será capaz de investir conscientemente e seguir a estratégia traçada para seus investimentos.

Vou listar três simples fatos que podem tranqüilizar um o investidor.

Historicamente, a bolsa sempre sobre

Durante toda a vida da bolsa, houveram dezenas de crises, umas mais fortes que as outras, mas todas tiveram sua baixa recuperada após algum tempo.

Veja esse gráfico de 5 anos de bolsa. Em nenhum momento a bolsa parou de subir no longo prazo.

Seus R$0,60 na verdade valem R$1,00

Existem duas expressões comuns no mercado financeiro, o “valor de mercado” de uma empresa e o seu “valor intrínseco”.

O valor intrínseco nada mais é do que o valor que a empresa realmente vale, ou seja, o seu valor levando em conta o lucro, patrimônio liquido, perspectivas do setor, fluxo de caixa, etc.

O valor de mercado de uma empresa é o valor que o mercado de ações está dando para ela naquele instante. Esse valor é indicado pelo valor de sua ação.

Na bolsa, boa parte das empresas está com o seu valor de mercado menor do que seu valor intrínseco. Em uma época de crise como essa nada mais racional do que pensar no valor intrínseco da empresa em que você investe e deixar a euforia e nervosismo do mercado de lado.

A excelente chance de comprar papeis de boas empresas

Quando ocorre uma queda forte, uma ótima oportunidade para compra aparece. A premissa básica de qualquer investidor (e que o mega investidor Warren Buffet sempre cita) é “comprar na baixa e vender na alta”. Não existe conta mágica, é pura matemática.

Créditos das fotos: advfn e oscarbjarna