Empresas para investir na crise

A forte volatilidade dos mercados está deixando muitos investidores enjoados. O sobe e desce da bolsa deve continuar nos próximos meses, principalmente pela incerteza das medidas emergenciais do governo americano para conter os efeitos da crise. Pode demorar muitos meses para o capital estrangeiro voltar e elevar o preço das ações a patamares mais justos.

A queda no preço das ações abriu grandes oportunidades de compra em todos os setores. Apesar disso, os investidores estão mais cautelosos em suas escolhas. Pensando neste cenário, resolvi selecionar algumas empresas que devem sofrer menos com a crise e a possível desaceleração do crescimento asiático.

Continuar lendo »

Considerações sobre Expo Money 2008

Tivemos a grande oportunidade de participar dos três dias da maior feira educacional de investimentos do Brasil. Estivemos uma boa parte do tempo no estande da nossa patrocinadora, o LinkTrade, e assistimos algumas palestras.

Senti que as palestras do Expo Money desse ano foram marcadas pela dualidade entre Análise Fundamentalista x Análise Gráfica. Enquanto alguns palestrantes defendiam com certo fanatismo a análise de gráficos, outros tiravam sarro. A única palestra que vi e que mostrou os lados positivos de ambas análises foi a do Cerbasi.

Continuar lendo »

Considerações sobre Expo Money 2008

Tivemos a grande oportunidade de participar dos três dias da maior feira educacional de investimentos do Brasil. Estivemos uma boa parte do tempo no estande da nossa patrocinadora, o LinkTrade, e assistimos algumas palestras.

Senti que as palestras do Expo Money desse ano foram marcadas pela dualidade entre Análise Fundamentalista x Análise Gráfica. Enquanto alguns palestrantes defendiam com certo fanatismo a análise de gráficos, outros tiravam sarro. A única palestra que vi e que mostrou os lados positivos de ambas análises foi a do Cerbasi.

Continuar lendo »

Bate-papo com Gustavo Cerbasi no Expo Money

Tivemos a oportunidade de bater um papo informal no café do Expo Money com o autor de vários best-sellers sobre finanças pessoais, Gustavo Cerbasi.

Diferente da maioria dos jovens, ele teve a vantagem de começar a investir após ter estudado finanças e economia na graduação em administração pela FGV e mestrado na FEA.

Ao ser questionado sobre os principais erros antes de atingir seu primeiro milhão, respondeu que teve a felicidade de cometer poucos e os utilizou como aprendizado.

Apesar da disciplina, não conseguiu fugir da tentação de comprar uma empresa no que ele apelidou de “alta festiva” em 2006, período no qual os preços das ações estavam caros pelo otimismo exagerado do mercado, indicando um momento de saída e não entrada.

Garimpagem de ações
Em sua garimpagem pelas melhores empresas para investir, Gustavo costuma comprar empresas com indicador P/L abaixo de 10 e considera importante o dividend yield.

Diversificação
Gustavo acredita que a não diversificação em uma carteira é um erro e deveria ser feita apenas por gestores que conhecem profundamente a empresa a ponto de “poder almoçar com o presidente da empresa”. O mega-investidor Warren Buffet é um exemplo desse tipo de gestão.

Investidor Jovem no Expo Money 2008

Lançaremos a parceria com o homebroker Link Trade na maior etapa do Expo Money, que acontece em São Paulo entre os dias 17 e 19 deste mês.

Estaremos no estande da Link Trade expondo nosso blog e você poderá bater um papo conosco (Bruno Yoshimura e Allan Panossian) durante todo o evento. Além disso, vamos cobrir algumas palestras pelo Twitter e tirar fotos para serem publicadas aqui no blog.

Sobre o evento

São esperados 20 mil investidores nos três dias para assistirem às 180 palestras que abrangerão todos os níveis de conhecimento. Os temas vão desde dicas de como controlar as finanças pessoais até análise fundamentalista de empresas.

Expo Money é a nossa cara!

O perfil traçado nas inscrições deste ano mostra que o público é formado principalmente por jovens de até 34 anos, sem dependentes. Além disso, a maioria dos visitantes (54,72%) já utiliza alguma corretora de valores para compra de ações ou tesouro direto.

Faixa etária dos visitantes
Até 25 anos
25%
Entre 26 e 34
38%
Acima de 35 anos
37%

Obviamente esses números não correspondem à realidade, já que o perfil do investidor brasileiro é um adulto que investe em poupança, renda fixa e previdência. Isso é uma demonstração do amadurecimento da educação financeira no Brasil, já que a maior parte dos investidores interessados nesse aprendizado é jovem!

Cobertura do Expo Money em tempo real pelo Twitter

Iremos cobrir o evento em tempo real pelo Twitter (http://twitter.com/investidorjovem) . Dêem follow em nosso perfil para acompanhar todos os acontecimentos importantes do evento.

Investidor Jovem no Expo Money 2008

Lançaremos a parceria com o homebroker Link Trade na maior etapa do Expo Money, que acontece em São Paulo entre os dias 17 e 19 deste mês.

Estaremos no estande da Link Trade expondo nosso blog e você poderá bater um papo conosco (Bruno Yoshimura e Allan Panossian) durante todo o evento. Além disso, vamos cobrir algumas palestras pelo Twitter e tirar fotos para serem publicadas aqui no blog.

Sobre o evento

São esperados 20 mil investidores nos três dias para assistirem às 180 palestras que abrangerão todos os níveis de conhecimento. Os temas vão desde dicas de como controlar as finanças pessoais até análise fundamentalista de empresas.

Expo Money é a nossa cara!

O perfil traçado nas inscrições deste ano mostra que o público é formado principalmente por jovens de até 34 anos, sem dependentes. Além disso, a maioria dos visitantes (54,72%) já utiliza alguma corretora de valores para compra de ações ou tesouro direto.

Faixa etária dos visitantes
Até 25 anos
25%
Entre 26 e 34
38%
Acima de 35 anos
37%

Obviamente esses números não correspondem à realidade, já que o perfil do investidor brasileiro é um adulto que investe em poupança, renda fixa e previdência. Isso é uma demonstração do amadurecimento da educação financeira no Brasil, já que a maior parte dos investidores interessados nesse aprendizado é jovem!

Cobertura do Expo Money em tempo real pelo Twitter

Iremos cobrir o evento em tempo real pelo Twitter (http://twitter.com/investidorjovem) . Dêem follow em nosso perfil para acompanhar todos os acontecimentos importantes do evento.

Quanto custa manter um carro?

Bruno Yoshimura, co-fundador do Kekanto.com
 » Siga-me no Twitter: @brunoyoshimura e no Linkedin
 » Leia sobre aluguel de ações: clique aqui

Comprar o primeiro carro é o sonho de consumo de todo jovem. Com o alongamento do prazo de financiamento e redução na taxa básica de juros, muitos conseguiram realizá-lo.

Apesar do blog falar sobre jovens e investimentos, resolvi escrever este post depois de descobrir que meu carro é o maior devorador de orçamento mensal que tenho, considerando que ainda moro com meus pais e estudo em faculdade pública.

O primeiro passo de qualquer investidor, é saber poupar. Neste sentido, vale a pena descobrir para onde está indo o dinheiro que deveria ser investido.

Os cálculos que vou fazer são da estimativa das despesas de um Gol City 1.0 Totalflex (anterior ao novo Gol), incluindo gastos anuais com seguro, IPVA, depreciação, combustível, manutenção, estacionamento e até custo de oportunidade (que iremos explicar posteriormente).

Modelo do carro: Gol City 1.0 Totalflex
Valor do carro zero:
R$ 27.676,00 (?)

Gastos fixos (R$ 3.968,00)
  • IPVA 4% (?) – R$ 1.383,80/ano
  • Seguro obrigatório (?) R$ 85,00/ano
  • Seguro R$ 2.500,00/ano (perfil jovem)
Despesas (R$ 3.043,91)
  • Depreciação (5% ao ano – estimativa pelo site da FIPE) R$ 1.383,35/ano
  • Custo de oportunidade= R$ 1.660,56/ano

    (investir o dinheiro, ao invés de comprar o carro: poupança rendendo 6%)

Gastos Variáveis (R$ 2.528,00)
  • Manutenção e peças (pneus, filtro de óleo e ar, pastilhas, fluídos) – R$ 750/ano
  • Troca de pneus a cada 2 anos = R$ 1.000,00 = R$ 500/ano
  • Estacionamento – R$ 150,00
  • Combustível – R$ 1.128,00/ano

    (8km/l | R$ 1,25/l | 600km/mês)

Total: R$ 9.539,91/ano

O valor parece absurdo, mas é real. Muitos se iludem com os baixos valores mensais de financiamentos e esquecem que pagar o carro é apenas o primeiro desafio.

Como conseqüência, podemos ver o aumento na quantidade de carros vendidos com baixa quilometragem, já que muitos não conseguem arcar com as despesas mensais e financiamento do veículo.

Antes de comprar seu primeiro carro, faça as contas e veja se vale a pena. É assim que um investidor jovem deve pensar.

* Por mais assustador que pareçam esses valores, fui conservador. No meu caso, gasto mais que o dobro de gasolina, estacionamento e manutenção. Também desconsiderei que jovens tomam multas e batem o carro com mais frequência. Outro fator que ignorei é o custo de oportunidade da vaga do prédio que utilizo, já que poderia ganhar dinheiro alugando a vaga.

Crédito da foto: andrew_mrt1976’s

Vai começar a investir agora? Leia esse post primeiro


Uma das maiores dificuldades para conseguir um investimento de sucesso é traçar uma estratégia. E mais difícil do que traçá-la é segui-la.

Qualquer investidor, por mais iniciante que seja, precisa ter em mente um plano, uma regra, uma estratégia de investimento que deve ser seguida ao longo do tempo.

Vou comentar nesse post alguns parâmetros que sigo para traçar a minha.

O primeiro de todos: Quanto de risco você está disposto a correr?

Essa pergunta é básica e todo o investidor deve fazer uma auto-análise para ver o quanto de risco está disposto a correr.

Quanto maior o risco, maior o lucro (ou prejuízo).

Eu me considero um investidor de risco médio-alto. Mantenho em minha carteira de ações 70% em blue ships (empresas grandes e consolidadas como Petrobrás e Vale) e 30% em small caps (empresas pequenas e com boas chances de crescimento como Mangels e Confab) e dinheiro especulativo (apostas para o curto-prazo).

Qual o tempo que você vai deixar o seu dinheiro investido?

Uma regra que você tem que ter clara é por quanto tempo seu dinheiro ficará aplicado. Você planeja comprar um carro ou um apartamento? É um dinheiro que só vai ser usado na aposentadoria? Vai usá-lo para pagar sua viagem de formatura? Vai pagar uma pós-graduação?

Após fixado o prazo, aloque sua carteira de acordo com o tempo que ela ficará investida. Quanto menos tempo, menor deve ser a parcela em investimentos de risco como ações.

Minha carteira é para longo prazo, algo em torno de 10 anos. Levando em conta o risco que quero correr (médio-alto) e o prazo vou ficar investido, divido minha carteira da sequinte maneira: 40% em renda fixa, 30% em multimecados e 30% em ações.

Que tipo de análise você seguirá?

Existem dois tipos de análise para a compra e venda de ações: a fundamentalista e a técnica. Estude as duas profundamente e veja qual tem mais o seu perfil. Ambas têm suas vantagens e desvantagens, mas nenhuma é 100% certa ou 100% errada.

Eu, como um investidor de longo prazo, optei pela análise fundamentalista. Gosto de escolher minhas empresas pelo que elas realmente são. Antes de comprar qualquer ação, analiso seu valor intrínseco, suas projeções, a perspectiva do setor, etc.

Utilizo a analise técnica apenas para ver se é uma boa hora para compra. Sempre dou uma olhada no gráfico, vejo seu IFR (índice de força relativa), sua tendência. Mas em nenhum momento uso essa análise escolher a empresa que vou investir, apenas para achar uma possível hora para entrar

Após a compra, acompanhe as notícias e relatórios da empresa

Depois de adquirir ações de uma empresa, não jogue-as no limbo. Acompanhe sempre o que ela está fazendo, as aquisições, as reestruturações. É um costume trabalhoso.

Uma vez a cada quinze dias dê uma procurada por notícias das suas empresas, leia o que a mídia está falando dela. Você pode usar esse site para procurar www.google.com/news.

Mantenha uma disciplina e siga o seu plano

Esse é o item mais difícil. Após traçar sua estratégia de investimento, siga ela a risca. Com toda a certeza do mundo, você passará por crises na bolsa. É nessa hora que um investidor fraco se distingui de um investidor de sucesso. É muito difícil manter a disciplina quando você comeca a perder dinheiro.

Sempre que ficar nervoso com as oscilações do merdado, reveja suas estratégias. Pensem no prazo que você fixou, nos ganhos acumulados desde que comecou a investir, leia esse post de como agir em épocas de crise, mantenha a cabeça fria.

O momento que estamos vivendo agora é um ótimo exemplo para testar a sua disciplina.

 

crédito da foto: http://www.more4kids.info/index.php?tag=saving-money

Como investir em épocas de crise?

Num momento delicado como o que estamos passando, a melhor estratégia para um investidor consciente é manter-se calmo e racional.

Todo investidor, por mais iniciante que seja, precisa seguir uma estratégia ao investir. Ele precisa ter claro em sua mente os prazos de seu investimento, o tipo de estudo que vai fazer para comprar ações (análise fundamentalista ou técnica), a alocação do dinheiro que vai para ações, renda fixa, multimerdados.

Em uma época como essa é que o investidor é testado. É na crise que sabemos se ele será capaz de investir conscientemente e seguir a estratégia traçada para seus investimentos.

Vou listar três simples fatos que podem tranqüilizar um o investidor.

Historicamente, a bolsa sempre sobre

Durante toda a vida da bolsa, houveram dezenas de crises, umas mais fortes que as outras, mas todas tiveram sua baixa recuperada após algum tempo.

Veja esse gráfico de 5 anos de bolsa. Em nenhum momento a bolsa parou de subir no longo prazo.

Seus R$0,60 na verdade valem R$1,00

Existem duas expressões comuns no mercado financeiro, o “valor de mercado” de uma empresa e o seu “valor intrínseco”.

O valor intrínseco nada mais é do que o valor que a empresa realmente vale, ou seja, o seu valor levando em conta o lucro, patrimônio liquido, perspectivas do setor, fluxo de caixa, etc.

O valor de mercado de uma empresa é o valor que o mercado de ações está dando para ela naquele instante. Esse valor é indicado pelo valor de sua ação.

Na bolsa, boa parte das empresas está com o seu valor de mercado menor do que seu valor intrínseco. Em uma época de crise como essa nada mais racional do que pensar no valor intrínseco da empresa em que você investe e deixar a euforia e nervosismo do mercado de lado.

A excelente chance de comprar papeis de boas empresas

Quando ocorre uma queda forte, uma ótima oportunidade para compra aparece. A premissa básica de qualquer investidor (e que o mega investidor Warren Buffet sempre cita) é “comprar na baixa e vender na alta”. Não existe conta mágica, é pura matemática.

Créditos das fotos: advfn e oscarbjarna

Encontrando as pechinchas do mercado: Value investing

Como já dizia o grande investidor Warren Buffet, “Preço é o que você paga, valor é o que você tem”.

Pense nessa frase e imagine que você possa comprar uma nota que vale R$ 1,00 por apenas R$ 0,60. Essa “metáfora” é utilizada freqüentemente para ilustrar o investimento em valor (value investing).

No mercado de ações, boa parte das empresas está com seu valor de mercado inferior ao valor intrínseco (“valor real” da empresa). Isso significa que você pode comprar boas empresas com grandes descontos.

Pela análise do Banco Safra divulgada hoje, poderíamos comprar ações da Usiminas hoje por R$ 62,95 (preço) quando na realidade elas valem R$ 103,50 (valor). Isso representa um desconto de 40%. O potencial de valorização pode ser melhorado ainda mais se pensarmos nas perspectivas de crescimento da empresa. Mas para este post, é o suficiente considerar que estamos pagando barato.

Com esse pensamento, é fácil entender o motivo pelo qual os investidores em valor dormem tranqüilo. Eles sabem que fizeram um bom negócio e não se preocupam com as crises, pois as utilizam como oportunidades de compras.

Não é apenas no mercado de ações que isso acontece. Revendedores de carros costumam pagar menos que o valor intrínseco do carro para conseguir uma margem de lucro maior. Pense agora no mercado imobiliário americano. O movimento de queda do mercado pela crise subprime está criando boas oportunidades para buscar desse desconto do valor intrínseco.

Como descobrir o valor intrínseco?

O valor intrínseco é encontrado através da análise fundamentalista com análise dos lucros, patrimônio líquido, fluxo de caixa descontado, perspectivas dos setores, entre outros fatores. A metodologia depende do modelo de valuation utilizado.

Para a maioria das pessoas, é suficiente acompanhar os relatórios e stock guides divulgados por grandes bancos e traçar uma média de valor intrínseco apenas para ter uma idéia da ordem de grandeza do “desconto” que estamos procurando.

Stock Guides abertos na internet:

» Banco Safra
» Elite Corretora

Como utilizar o investimento em valor para caçar pechinchas do mercado?

Como sempre dizemos, utilizar apenas um indicador é desaconselhável. Um bom desconto no preço de uma empresa pode embutir algum perigo judiciário ou má fase da empresa.
Não acredite sempre nos stock guides dos bancos. Nem sempre eles estão atualizados com o valor intrínseco justo e normalmente são ajustados trimestralmente e podem ficar defasados.

Recomendo a utilização desse indicador de “desconto” (100% – valor de mercado/valor intrínseco) apenas como um “filtro”. Uma utilização interessante seria restringir suas compras em papéis com descontos superiores a 40%, para minimizar os riscos. Nos próximos meses o mercado deve continuar em liquidação!

Compre barato e durma tranqüilo!

Pechincas do mercado de acordo com Stock Guide do Safra:
(lembre-se que um bom desconto nem sempre indica boa compra)

Empresa
Preço*
Valor*
Desconto*
Upside*
Petrobrás
R$ 35,16
R$ 55,13
36%
57%
Gerdau
R$ 31,50
R$ 48,32
35%
53%
Usiminas
R$ 64,25
R$ 103,50
38%
61%
Duratex
R$ 27,48
R$ 61,21
55%
123%
Ambev
R$ 89,50
R$ 166,50
46%
86%
1) Preço: Cotação em 29/07/2008
2) Valor: Stock Guide do Safra de 28/jul/2008
3) Desconto: (1 – Preço/Valor)
4) Upside: (Valor/Preço – 1)
Página 4 de 6« Primeira...23456