Principais erros dos iniciantes da bolsa

Este post descreve alguns dos principais erros cometidos por iniciantes na bolsa. Para quem já sabe o que está fazendo, alguns dos itens podem não parecer um “erro”, mas sim uma estratégia de investimento.

1) Concentrar compras em um período curto de tempo

É muito comum ver iniciantes investindo grande reserva de dinheiro de uma vez só. Mas o mercado é imprevisível, não sabemos se estamos comprando antes de um período de grande queda.

Por esta razão, é interessante fazer compras em períodos espaçados para conseguir um preço médio justo. Boas oportunidades de compra surgem para aqueles que sabem aguardá-las.

2) Investir dinheiro que vai precisar no curto prazo

O movimento do mercado é imprevisível e irracional no curto prazo. Investir dinheiro comprometido, mesmo em uma excelente empresa sub-precificada, é uma péssima idéia. O mercado só passa a ser racional no longo prazo.

Muitos investem reservas financeiras em especulações de curto prazo e acabam vendendo as ações na baixa, exatamente quando precisam do dinheiro.

Para quem precisa do dinheiro no curto prazo, vale a pena investir em títulos públicos ou fundos de renda fixa. Caso opte pela primeira opção, procure casar o vencimento do título com a data em que vai precisar do dinheiro (se precisar do dinheiro em 1 ano, compre um título que vença em um ano).

3) Seguir carteiras mensais sugeridas por bancos

Bancos e corretoras costumam montar uma carteira concentradas com até 10 ativos e atualizam mensalmente. A idéia parece interessante, mas acaba sendo uma sacanagem com os investidores.

O grande problema é que o dinheiro gasto com corretagem e imposto de renda acabam corroendo o lucro (isso quando ele existe). Movimentar mensalmente a carteira dá muito trabalho, pois você pode acabar perdendo o incentivo de isenção de IR e precisa fazer cálculos mensais.

Nessa condição, o investidor acaba conseguindo rendimentos bem inferiores ao próprio Ibovespa. Quem fica rico, no final, são os bancos.

4) Comprar na alta e vender na baixa

Pode parecer óbvio que ninguém vai comprar na alta e vender na baixa. Mas quem segue a euforia o mercado, tem grandes chances de fazer isso.
Comprar quando todos estão comprando e vender no desespero quando todos estão vendendo, é seguir o mercado. E ao fazer isso, você pode perder muito dinheiro.

Buffet e outros grandes investidores ensinam que precisamos fazer o contrário. Comprar quando todos estão vendendo, e vender quando todos estão comprando (ou seja, comprar na baixa e vender na alta). Obviamente que as ações compradas precisam ser de empresas que se encaixam em sua estratégia.

5) Ficar 100% comprado em ações, sem reserva

Para investidores de longuíssimo prazo (20, 30 anos) pode até fazer sentido um posicionamento total em ações. Mas isso nunca deve ser feito.

O motivo é simples: Historicamente, o mercado sempre apresenta grandes quedas. Essas quedas são excelentes oportunidades de compra para quem possui reserva. Entre as últimas quedas estão:

  1. Nov/1998: Crise da Rússia;
  2. Dez/2000: Bolha da internet;
  3. Jan/2008: Sub-prime e recessão norte-americana.

Na bolha da internet, o índice Dow Jones caiu pela metade e o Nasdaq caiu para 1/3 de seu valor. Uma excelente oportunidade de compra para quem possuía reservas!

Graham propõe em sua obra The Intelligent Investor uma exposição entre 25% e 75% em ações e o restante em títulos. Quando mais precificado (“caro”) o mercado fica, menor a exposição em ações.

Nessa situação, sempre teremos uma reserva para comprar ações sub-precificadas após grandes quedas de mercado.

6) Misturar dinheiro especulativo com investimentos de longo prazo

É difícil ficar longe das especulações do dia-a-dia. O que não podemos fazer é confundir o dinheiro de longo prazo com o especulativo. Investimentos de curto prazo precisam ter objetivos bem definidos (tanto de lucros quanto de prejuízos).

Pessoas que não limitam a perda em especulação de curto prazo acabam deixando aquele prejuízo como um investimento de longo prazo. O problema é que na especulação, a empresa geralmente não é analisada em seus fundamentos e esse “investimento” desfundamentado acaba virando um pesadelo.

7) Seguir recomendações de blogs, fóruns e amigos

Suspeite de qualquer dica quente ou recomendação, mesmo que do seu melhor amigo. Afinal, quem vai amargurar o prejuízo é você. Mesmo aquelas “dicas quentes” que circulam nos bastidores do mercado financeiro podem ser perigosas, pois você pode ser o último e receber tal dica.

Isso é válido também para bancos, que às vezes recomendam empresas que nunca comprariam na mesma situação. Veja o caso Henry Blodget que recomendava, em nome do Merril Lynch, a compra de empresas que sabia ser um lixo.

O que eu considero muito perigoso são as recomendações que circulam na internet, fóruns e comunidades. Todos os dias eu vejo pessoas recomendando compra “micos” para iniciantes, que mal sabem que essas empresas não valem nada (a maioria delas está com patrimônio líquido negativo, ou seja, falida). Alguns exemplos: TELB4, TOYB4, WISA4, GAZO4, ESTR4, HOOT4.

Minha recomendação para quem está começando?

Leia muito! Relatórios, textos sobre grandes investidores, livros sobre análise fundamentalista, relatórios anuais das empresas. Em breve lançaremos a parte do blog com links para sites interessantes.

A partir de quanto dinheiro devo investir na bolsa?

Essa é uma pergunta que alguns amigos meus já me fizeram e eu acho que vale a pena um post para explicar.

A resposta é: A partir de qualquer quantia! A diferença é o jeito que você vai investir!

Para quantias pequenas de até R$ 2.000, recomendo investir através de fundos do seu banco. Todos os bancos dispõe de fundos de ação, sejam eles exclusivos da Petrobrás ou Vale ou fundos mais diversificados que investem em setores específicos ou que buscam seguir indicadores como o ibovespa.

Para quantias maiores, a partir de R$ 2.000 eu recomendo investir através de corretoras de valores.

Por que?

A explicação é puramente matemática. Mas antes eu irei explicar brevemente as taxas que são cobradas em cada caso.

No caso de um fundo de investimento

Quando você investe em ações através de um fundo de investimento, você paga o Imposto de renda e a Taxa de administração.

O imposto de renda de um fundo de investimento em ações é fixo em 15%.

A taxa de administração é a quantia que os bancos cobram para gerenciar o seu dinheiro. O valor costuma variar de 1% a 4% por ano e incide sobre o valor investido. Na tabela de rentabilidade do fundo, essa taxa já vem deduzida.

No caso de uma corretora

Quando você investe em ações através de uma corretora de valores, você paga o Imposto de Renda, a taxa de custódia e a taxa de corretagem.

O Imposto de Renda só é cobrado se você vender mais de R$20.000 num mês e obtiver lucros. Se vender menos do que isso você é isento.

A taxa de custódia é a mensalidade da corretora. Muitas corretoras hoje em dia não cobram mais essa taxa.

A taxa de corretagem é um valor que você paga quando faz uma compra ou uma venda de ações. Esse valor muda de corretora para corretora. A Ágora, por exemplo, cobra R$20,00 de corretagem e a Ativa R$15,00.

Explicando

Suponha que você vá comprar R$1000,00 em ações da Petrobrás.

Se você for aplicar pelo fundo do banco, não pagará nada pela compra, apenas o IR no saque e a taxa de administração anual.

Se você for comprar pela corretora (suponha que estamos usando a corretora Ágora). Você pagará só por fazer a compra, R$20,00 de corretagem. R$20,00 é 2% de R$1000,00 e isso nos diz que só para seu investimento pagar a corretagem ele terá que render 2%! E pior, quando você vender, você pagará mais R$20,00!!

Quando você for fazer compras acima de R$2000,00 a corretagem começa a ser diluída e aí sim começa a valer.

Observações extras

O imposto de renda, a taxa de custódia e a taxa de administração também devem ser analisadas na hora de escolher por qual meio investir, porém, para ser mais didático, preferi focar só na corretagem pois é onde incide o maior peso e os investidores inexperientes não tomam cuidado.

Existem muitas corretoras que cobram a corretagem levando em conta a quantidade de dinheiro movimentado. Nesses casos, é o calculo fica mais perigoso e essa regrinha dos R$2000 não se aplica.

Crédito da foto: Jay D

Gurus de investimento: Warren Buffett

Acredito que na vida sempre é bom termos pessoas como exemplo, seja pelos seus atos, pelo seu caráter, pelos seus pensamentos. Iniciaremos no blog uma série de posts sobre os maiores investidores do mundo para mostrar como pessoas normais tiveram grande sucesso financeiro investindo em empresas.

O primeiro guru de investimento que quero comentar é o que teve mais sucesso dentre todos, o Warren Buffett. Ele manteve o posto de homem mais rico do mundo por 13 anos e hoje possui uma fortuna estimada de 62 bilhões de dólares. Historicamente obteve um retorno anual de 22,3% durante 36 anos.

O método de Buffett é simples. Seus passos são facilmente seguidos por qualquer pessoa que consiga manter uma disciplina. Ele consiste basicamente em 4 passos, sendo que o primeiro deles é o mais difícil de obedecer.

Passo 1: Desligue-se do Mercado de ações

O mercado de ações é movido por pessoas. Pessoas são facilmente afetadas por emoções momentâneas. Se o mercado está bom as pessoas ficam eufóricas e excitadas, se ele está mal, a tendência é se deprimirem.

Buffett diz que um investidor nunca deve permitir que o mercado dite seus atos. Se você seguir a euforia momentânea da multidão, certamente terá um grande insucesso em seus investimentos.

Passo 2: Não deixe a economia incomodar

Como ocorre com o mercado de ações onde pessoas desperdiçam tempo se incomodando, o mesmo não deve ocorrer com os indicadores econômicos.

O futuro econômico é incerto, ninguém tem o poder de prevê-lo com exatidão. Buffett diz que o investidor que busca investimentos baseados em projeções econômicas é um tolo. Ele deve preferir empresas que lucre independentemente da economia, empresas que possam lucrar na maioria dos cenários.

É claro que forças macroeconômicas podem afetar os negócios, mas na média, as empresas escolhidas devem lucrar mesmo com esses declínios.

Buffett dá um simples exemplo, a maioria dos homens tem que se barbear e as mulheres se depilar, logo a Gillette é uma boa empresa para investir, pois seu mercado nunca deixará de existir.

Passo 3: Compre uma empresa, não uma ação

Estime o valor intrínseco da empresa. O valor que você pagar por ela deve ser em média 40% mais barato do valor intrínseco que estimou.

Buffett diz que uma empresa deve ser escolhida seguindo alguns princípios:

  • Simplicidade: as companhias devem ser fáceis de entender, o investidor deve saber claramente de onde vem o lucro, as vendas, a receita, as despesas da empresa
  • Experiência: a empresa deve ter passado em sua história por diferentes ciclos econômicos, ela deve mostrar habilidade suficiente para contornar dificuldades e aproveitar oportunidades
  • Perspectiva a longo-prazo: a melhor empresa é aquela que vende um produto necessário ou desejável e sem substituto próximo
  • Bons administradores: Um dos principais pontos é saber quem administra a empresa. O gerente é honesto com seus acionistas? Ele sabe como administrar sua equipe? Ele sabe como reinvestir os lucros?
  • Foque no patrimônio líquido não no lucro por ação: um investidor deve medir o desempenho da empresa pelo crescimento do patrimônio líquido e não por quanto a ação gerou de renda no período
  • Margem de lucro e reinvestimento: a empresa deve sempre trabalhar com uma alta margem de lucro e que para cada dólar retido a empresa deve ter aumentado pelo menos um dólar em seu valor de mercado

Venda suas ações somente quanto:

  • o valor de mercado ultrapassar significativamente o valor intrínseco
  • a empresa não estiver crescendo a uma taxa satisfatória
  • precisar de dinheiro para investir em uma empresa melhor

Passo 4: Seu portfólio de empresas

Buffett acredita que diversificar demais a carteira só é necessário quando os investidores não sabem o que estão fazendo. Ele diz que um investidor inteligente é capaz de escolher de cinco a dez companhias com preços sensatos e que possuam vantagens competitivas a longo-prazo, a diversificação tradicional não faz sentido.

LImite-se aos investimentos que consiga entender. De outra forma você nunca conseguirá medir o verdadeiro valor daquilo que investe.

Desvendando os Dividendos – Parte 2/2

Como reinvestir dividendos (e outros proventos)?

Muitos investidores não dão atenção para o dinheiro que é entra na conta bancária como pagamento de dividendos. O motivo é simples: normalmente representam menos de 2% do valor investido. Com isso, este dinheiro precioso acaba não sendo reinvestido e são rapidamente consumidos pelos gastos do dia-a-dia. No curto prazo pode parecer pouco, mas reinvestir os dividendos aumenta incrivelmente a rentabilidade de uma carteira de longo prazo.

Uma dica para manter a disciplina é investir todo dinheiro recebido em um fundo de renda fixa até juntar um montante suficiente para ir “as compras”. Depois de algumas décadas você terá mais ações da empresa e, consequentemente, receberá mais proventos (no longo prazo esta prática cria uma curva de rentabilidade exponencial semelhante a do juros composto). A vantagem é que as aplicações de renda fixa não pagam taxa inicial de aporte ou corretagem (mas lembre-se que aplicações de curto prazo pagam IOF).

É interessante fazer o controle de todos os proventos recebidos durante o ano. A CBLC envia relatórios mensais com esses valores e as empresas das quais você é sócio são obrigadas a enviar o informe de rendimento anual com Juros Sobre Capital Próprio e Dividendos. Na prática, a maioria das empresas não envia informe dos dividendos, então cabe a você fazer esse controle. No Ajuste Anual de Imposto de Renda você também deve declarar tudo, mas isso falaremos em nosso guia de IR online que pretendemos lançar.

Reinvestimento automático – Algumas empresas e bancos possuem serviço de reinvestimento automático de dividendos em ações. A Vale possui este serviço desde 2005.

Porque os dividendos são isentos de IR?

Como dissemos no posta anterior, dividendos representam uma parcela do lucro líquido. Acionistas não precisam pagar imposto de renda pois a própria empresa já o fez.

Caso queira se aprofundar no assunto, veja como funciona a Demonstração de Resultado de Exercício, que é obrigatória para empresas de capital aberto. Ela mostra como é calculado o lucro líquido de uma empresa.

Selic como limitadora de dividend yield

Podemos ver que o dividend yield dificilmente supera a taxa básica de juros. Primeiro pois uma empresa, mesmo com pay-out elevado, dificilmente consegue tamanho lucro. Mas vamos supor que uma empresa saudável atinja um dividend yield acima da taxa básica de juros.

A “rentabilidade” dos dividendos acima da taxa de juros já seria suficiente para atrair investidores em renda fixa para tais ações. Além do mais, empresas saudáveis tendem a valorizar no longo prazo. Por esta razão, raramente uma empresa saudável tem o dividend yield acima da taxa de juros (os maiores dividend yield estão sempre abaixo da Selic, que serve como um limitante deste indicador).

Já uma empresa que estava com boa rentabilidade passada, mas passa por períodos de dificuldades no presente (desastre natural, problemas judiciais), pode apresentar um dividend yield elevado. Isso se deve pois o dividend yield considera resultado passado, mas o preço das ações reflete uma situação presente. Então, uma elevação brusca do dividend yield deve ser vista com cautela, ainda mais para empresas que historicamente não tinham este indicador tão elevado.

Empresa Yield
Transmissão Paulista 13,00%
Eletropaulo 13,00%
SELIC 11,75%
Eternit 11,41%
Telefônica 11,04%
Aês Tietê 9,84%
CPFL 9,3%
Energisa 9,15%
Santander 8,74%
Equatorial 8,53%
Souza Cruz 7,55%
Brasil Telecom 7,71%
Comgás 7,12%
Grendene 6,66%

Na tabela acima podemos ver um exemplo de empresa que apresentou bons resultados no passado, mas está sofrendo no presente. As ações da Eternit despencaram após notícia da proibição do uso de amianto. Por este motivo, seu dividend yield está altíssimo. Mas veja o que o mercado não deixou a ação cair mais, um indício dessa “teoria” de que a Selic limita o aumento do dividend yield.

Desvendando os Dividendos – Parte 1/2

Pela Lei das S.A., as empresas são obrigadas a distribuir pelo menos 25% do lucro líquido do exercício em forma de dividendos. Esta taxa é conhecida como pay-out e varia entre 25% e 100% (empresas com prejuízo no último exercício não distribuem dividendos). Distribuir 25% de dividendos significa manter os outros 75% do na empresa em forma de reinvestimento – essencial para o crescimento da empresa.

Neste ponto de vista, podemos considerar que a parte do lucro destinado aos acionistas minimiza o crescimento da empresa. Para um investidor com perfil de Warren Buffet, que compara a compra de ações com um casamento para a vida inteira (“Our favorite holding period is forever“), o dividendo passa a ser uma remuneração justa. Há quem defenda que este dinheiro já era direito do acionista, por ser dono de uma parte da empresa.

Neste e no próximo irei comentar sobre algumas curiosidades relacionadas a este tema.

Data “ex-dividendos” – é possível ganhar dinheiro no curto-prazo com dividendos?

Quem nunca pensou em comprar uma ação apenas para receber dividendos no curto prazo? Parece um método brilhante de conseguir dinheiro, mas se fosse verdade, todos o fariam. Todas as empresas divulgam as data “ex-dividendo” da ação. Se você abrir o pregão com a ação na carteira na data em que o papel passa a operar “ex-dividendos”, você terá direito a recebê-los (normalmente poucos meses depois).

Agora imagine que você compre essa ação um dia antes da data ex-dividendos e ganhe esse direito de receber 3% de dividendos. Isso significaria um rendimento de 3% em apenas um dia, certo? Errado! Isso não acontece pois a cotação da ação é ajustada para baixo na mesma proporção de modo a cancelar este rendimento.

Isto significa que se no dia anterior o fechamento da ação foi em R$ 100,00, a ação vai abrir a R$ 97,00. O que acontece é que as vezes o mercado não acredita nessa diferença de 3%, e a ação acaba voltando aos patamares de R$ 100,00. Esse aumento pode ocorrer no mesmo dia ou demorar um tempo.

Então valeria a pena comprar uma ação na abertura do dia ex-dividendo, pensando apenas na valorização “pós-queda”? Nem sempre, pois esse ajuste no preço tem fundamentos e o mercado pode demorar a precificar esta ação ao patamar anterior.

Correlação entre P/L e pay-out

Se compararmos o indicador P/L e o pay-out de empresas, podemos encontrar uma correlação interessante. Empresas que tem pay-out elevadíssimo podem ter um P/L abaixo da média. Para explicarmos o porquê desta correlação, precisamos verificar quais têm pay-out elevado.

Entre os setores que apresentam pay-out elevado podemos citar as de concessionárias de rodovias, elétricas, saneamento e ferroviárias. Normalmente este tipo de empresa depende de concessões do governo que duram muitos anos e, algumas vezes já atingiram o nível de “saturação de crescimento”, não necessitando imediatamente de capital para novos investimentos. Existem também empresas que não reinvestem o lucro pois preferem captar dinheiro com empréstimos.

Agora que sabemos o tipo de empresa que tem pay-out elevado, podemos fazer a correlação com um P/L. Como vimos em um post anterior, o P/L é a razão entre preço da ação e lucro líquido por ação. Normalmente o preço da ação de uma empresa já embute uma expectativa de crescimento futuro. Isso significa que empresas com forte crescimento anual costumam apresentar P/L elevado.

As empresas que não reinvestem o lucro e também não captam empréstimos, crescem menos. Desta forma, o preço da ação não embute esta expectativa de crescimento, reduzindo o indicador P/L.

Reinvestir lucro líquido ou buscar empréstimos?

Existe o caso específico das empresas que distribuem grande parte do lucro líquido em dividendos e para compensar, injetam capital “novo”. Isto acontece com frequência em empresas que obtêm empréstimos ou lançam debêntures no mercado (podemos o caso das Lojas Americanas, que distribui mais de 90% do lucro líquido, mas investe capital utilizando empréstimos).

Quando as empresas precisam de caixa para realizar grandes projetos (como a concessão do Rodoanel, por exemplo), é possível captar dinheiro através de emissão de debêntures ou financiamentos de longo prazo (veja esta notícia sobre o financiamento da CCR).

Na realidade, faz sentido captar dinheiro em um empréstimo de longo prazo para uma obra que trará benefícios também de longo prazo. Isso explicaria o motivo pelo qual uma empresa pode ter P/L e pay-out alto. Mas existe uma questão a ser levantada:

Será que se a empresa mantivesse o lucro líquido reinvestido a taxa Selic, não seria um capital mais barato do que um empréstimo de longo prazo?

Essa é uma decisão que a empresa precisa fazer, levando em conta seu custo de oportunidade.

No próximo post falaremos sobre a isenção do IR sobre dividendos e o motivo pelo qual algumas pessoas acreditam que a Selic pode ser limitadora da taxa dividend yield.

Empresas para investir no “boom” do setor de automóveis

Junto com a construção civil, as empresas relacionadas ao setor imobiliário impulsionaram o crescimento do PIB Industrial, que foi o principal destaque do primeiro trimestre de 2008.

Entre 2004 e 2007, a compra do primeiro carro 0 km cresceu 284%. Já neste ano, as vendas acumuladas até maio tiveram um crescimento de mais de 30% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Por esta razão, resolvi selecionar as principais empresas com capital aberto que são beneficiadas por este “boom” no setor. Não são apenas as montadoras que aumentam seus lucros. Existem também as seguradoras de veículos, fabricantes de peças de manutenção, sucroalcooleiras e concessionárias de rodovias.

Entre os fatores que contribuiram para o aquecimento do setor automobilistico estão:
» o alongamento do prazo de financiamento pelos bancos em até oito anos;
» crescimento da classe média (migração da classes “D” e “E” para C)
» redução da taxa de juros básica de 20% (2005) para menos de 12% (veja gráfico);

 

De olho no futuro:
» 85% dos carros produzidos serão Flex até 2010 (maior consumo de álcool);
» Carros chinêses começam a sers vendido no Brasil em 2008, com preço de popular
» financiamento longo pode causar inadimplência e desistência (aumento da venda de usados recém-comprados);
» continuidade dos investimentos no setor (com investment grade);

Das empresas listadas abaixo, recomendo estudo da Metal Leve, Fras-Le, Mangels, Plascar, São Martinho. Empresas que requerem grande cuidado e estudo: CCR, Cosan e seguradoras.

Petrobrás e Usiminas são excelentes empresas que fazem parte da carteira de muitos investidores fundamentalistas. Apenas recomendo cautela para compra nesse período eufórico. Muitas pessoas cometem o erro de concentrar as todas as compras em um intervalo muito curto de tempo, correndo o risco de pegar uma época de alta.

Empresa
Setor*
Valor*
P/L
P/VPA
Δ PL 5a
Δ Rec. 5a
Liq.*
Div*
Relatórios
Metal Leve

Pistões, Válulas

100%
1,2
9,8
2,23
10%
6,40%
1,3
0,76
Fras-le

Lonas de carros e caminhões

100%
0,4
9,7
1,93
150%
8%
2,23
0,68
Mangels

Rodas de Liga Leve e Aços

31%
0,3
7,4
1,34
50%
11,80%
2,13
1,76
Plascar

Pára-choques, painéis, portas

100%
0,8
16,6
3,03
27,20%
1,05
0,47
Sul América

Seguradora

27%
3
8,7
1,5
1,43
0,13
Porto Seguro

Seguradora

39%
4,4
12,1
2,39
200%
-46%
1,38
CCR

Rodovia e pedágios

100%
13
22,0
8,4
190%
18,80%
1,16
1,25
Petrobrás

Energia – Petróleo, Gás

416
17,1
3,45
185%
17,60%
1,31
0,35
Cosan

Álcool/Cana

33%
57,07
2,1
2,09
-29,80%
6,22
0,7
São Martinho

Álcool/Cana

44%
2,6
1,61
2,03
0,29
Usiminas

Aço, Placas, Auto Peças

21%
43,6
13,7
3,33
300%
9,10%
2,17
0,3
1) Setor: Porcentagem da receita relacionada com setor automotivo
2) Valor: Valor de mercado em bilhão (número de ações x preço por ação)
3) Liq: Liquidez Corrente (Ativo Circulante / Passivo Circulante)
4) Div: Dívida Bruta / Patrimônio Líquido

Indicadores positivos:
» Petrobrás, Usiminas e Fras-le pelo crescimento do patrimônio líquido em nos últimos 5 anos;
» Mangels e Sul América pelos múltiplos muito abaixo da média setorial;
» Plascar pelo forte crescimento da receita nos últimos 5 anos;
» São Martinho pelo P/VPA (seu valor do mercado está apenas 61% acima do seu patrimônio líquido);
» Mangels pelo P/VPA (seu valor do mercado está apenas 34% acima do seu patrimônio líquido);

Indicadores negativos:
» Cosan e Porto Seguro pela queda na receita líquida (negativo);
» Plascar, pela baixa liquidez corrente;
» CCR por estar com valor de mercado mais de 8x maior do que seu patrimônio líquido (P/VPA);
» Cosan, pelo P/L baixo (seria positivo, mas precisamos descobrir as causas)

Dividend Yield, quanto de dividendos uma empresa paga?

Continuando a série de artigos explicativos sobre alguns indicadores que todo investidor deve conhecer, irei falar um pouco sobre o Dividend Yield.

Toda a empresa aberta em bolsa paga a seus acionistas uma parcela do lucro conhecido como dividendo. Esse pagamento é proporcial a sua fatia da propriedade da empresa (ou seja, o número de ações que você possui). O indicador Dividend Yield nos diz quanto tal empresa paga ao seu investidor.

O indicador é muito simples de entender, ele é uma divisão de quanto a empresa paga de dividendo por ação pelo preço da ação:

Esse pagamento pode ser anual, semestral, mensal, semanal, etc. Depende de empresa para empresa.

Exemplificando

Vamos pegar um exemplo, a Petrobrás (PETR4), que tem o Dividend Yield nos dias de hoje igual a 1,7%.

Se você tem 100 ações da Petrobrás no dia de pagamento do dividendo e o preço do papel está em R$45,00, com uma simples conta chegamos ao valor de dividendos pago:

Logo o dividendo pago por ação é de:

Multiplicando o dividendo pelo número de ações que temos:

Chegamos ao total de 76,5 reais pagos por termos 100 ações da Petrobrás, simples não?

Tais pagamentos entram direto na sua conta corrente da corretora, basta olhar o extrato e lá estará o dinheiro!

Algumas empresas que paga bons dividendos

Alguns setores como energia elétrica e bancos são conhecidos pela alta porcentagem de Dividend Yield, segue abaixo uma pequena lista de empresas que paga bons dividendos:

  • CPFL Energia (CPFE3) – 9,66%
  • CEMIG (CMIG4) – 5,49%
  • Eletropaulo (ELPL5) – 13, 62%
  • Santander (SANB3) – 7,42%
  • Unibanco (UBBR11) – 3,92%
  • Usiminas (USIM5) – 4,05%

Conclusões

Olhar o Dividend Yield de uma empresa também é recomendado na hora de fazer uma escolha. Empresas que paga bons dividendos são interessantes de se ter na carteira.

Como o indicador é uma fração que varia conforme o preço da ação, uma porcentagem muito alta pode ser consequência de uma ação muito barata, por tanto não compare o Dividend Yield de duas empresas sem antes ver o preço da ação.

Você pode ver o Dividend Yield de várias empresas nesse site: http://mapamercado.vci.com.br/

Onde investir após Investment Grade – Small Caps

Após recebimento do segundo sêlo de investment grade pelo Brasil, os investidores precisam decidir em quais papéis apostar.

Neste post vou mostrar algumas opções interessantes, que seguem mais a linha de “investimento ativo”. Existem pequenas jóias do mercado que ainda não foram descobertas pelos estrangeiros e podem virar destaque pós-investment grade.

Que setores devem ser beneficiados?
O consenso do mercado é que as grandes beneficiadas serão as empresas que dependem de empréstimos de longo prazo, como as imobiliárias e bancos, e as diretamente ligadas ao consumo interno.

Largecaps ou Smallcaps?
É muito provável que o investidor tenha empresas como Petrobrás, Vale, Gerdau, Usiminas, Aracruz e VCP em sua carteira de longo prazo. O que muita gente não sabe, é que elas já possuíam o selo de grau de investimento muito antes do Brasil. Isto significa que já existiam fundos do exterior investindo nessas empresas.

Apenas agora, com o segundo sêlo, o Brasil passa a receber oficialmente o grau de investimento. Com isso, alguns fundos estrangeiros poderão investir nas small caps (muitos fundos utilizam a política de investir apenas em países com tal classificação).

A seleção de Small Caps e Mid Caps
Benjamin Graham chama de investidor empreendedor aquele que investe ativamente, analisando empresas em busca de jóias sub-precificadas. Abaixo faremos uma lista de algumas small caps e mid caps interessantes e cabe ao leitor, analisá-las com maior profundidade.

Obs: No exterior, costuma-se considerar mid cap empresa com valor de mercado inferior a US$ 8 bilhões (dólares) e small cap abaixo de US$ 1 bilhão.

As recomendações abaixo estão longe de formar uma carteira, mas podem servir de início para uma investigação mais apurada. Acredito que Small Caps e Mid Caps podem ser mais exploradas, principalmente pelos investidores jovens que tem o longo prazo a seu favor. Nos próximos vamos esclarecer melhor como analisar os indicadores abaixo (Liquidez, P/VPA, ROE, Crescimento de PL, entre outros).

Sadia (SDIA4)

Setor
Consumo
Preço Atual
R$ 13,80
Valor de Mercado
R$ 9,5 bilhões
P/L
11,83x
P/VPA
3,1x
Cresc. PL 5a
87%
ROE %
18%
Liquidez Corrente
1,97
Endividamento Geral
1,85
Download Relatórios

Pontos positivos:
» Receita operacional cresceu 24% em 2007
» Taxa de crescimento nos últimos 5 anos superior a 10% ao ano.
» Demanda aquecida no mercado externo
» P/L abaixo da média do setor (Perdigão com P/L acima de 35x)
» Joint Venture com Kraft Foods no mercado de queijos
» Forte crescimento do patrimônio líquido, que cresceu 200% de 2001 para 2008. Isto mostra o compromisso da empresa em reinvestir os ganhos em novas fábricas, P&D (pesquisa e desenvolvimento) e aquisições.

Pontos negativos:
» Recente alta nas ações deixa menos espaço para valorização
» Perde competitividade com queda do dólar no curto-prazo, pois 50% das vendas são para exterior
» Embargo causado por problemas sanitários, principalmente no setor agícola (newcastle, gripe aviária).

Banco Pine (PINE4)

Setor
Bancário (Crédito)
Preço Atual
R$ 12,90
Valor de Mercado
R$ R$ 1,1 bilhão
P/L
6,71x
P/VPA
1,44x
ROE %
20%
Liquidez Corrente
1,21
Endividamento Geral
6,22
Download Relatórios

Pontos positivos:
» P/L muito baixo para o setor
» Crescimento de 98% no lucro líquido no 1T08.
» Crescimento de 133% na carteira de clientes empresariais (1T07 e 1T08)
» IPO recente no subprime penalizou as ações nos últimos meses.
» Captação mais barata no exterior, com o Investment Grade.
» Crédito consignado (descontado na folha de pagamento) reduz o risco de crédito e é um dos principais produtos do banco.

Pontos negativos:
» Empresa pouco líquida corre grande risco em momentos de crise (vide crise de liquidez atual dos EUA). O índice de liquidez corrente está em 1,2x, o que é baixo para uma empresa de crédito deste porte.
» Financiamento de automóveis em prazos longos pode trazer risco de crédito, já que o consumidor brasileiro não esta acostumado a esses longos períodos de financiamento.

Hypermarcas (HYPE3)

Setor
Consumo
Preço Atual
R$ 21,99
Valor de Mercado
R$ 3,3 bilhões
P/L
9,90x *
P/VPA
4,85x
ROE
???
Liquidez Corrente
1,38
Endividamento Geral
1,80
Download Relatórios
* Calculado a partir de nossa projeção do lucro líquido usando dados do 1T08

Pontos positivos:
» Investimentos em marketing e aquisições com dinheiro captado no IPO.
» Múltiplo P/L muito atraente para o setor (Unilever internacional está próxima de 16x).
» Valor intangível de marcas como Engov, Epocler, Zero Cal, Assolan não entram na contabilidade (não são mensuráveis).
» Crescimento de 32% no EBITDA ajustado (comparação entre 1T07 e 1T08).
» Diversificação do portfólio de produtos.

Pontos negativos:
» Índice de liquidez muito baixo para o setor. Natura, Saraiva, Drogasil, estão entre 1,5x e 2,4x.
» Recente alta nas ações deixa menos espaço para valorização
» IPO muito recente costuma apresentar alta volatilidade.
» A ação pouco negociada na bolsa (baixa liquidez de negociação).
» Lei do Silêncio: Bancos e corretoras não podem comentar a empresa em IPOs recentes. Cabe ao leitor analisar por conta própria, assumindo os próprios riscos.

Fertilizantes Heringer (FHER3)

Setor
Fertilizantes
Valor de Mercado
R$ 1 bilhão
Preço Atual
R$ 23,49
P/L
13x
P/VPA
2,0x
ROE
16%
Liquidez Corrente
1,30
Endividamento Geral
1,64
Download Relatórios

Pontos positivos:
» Múltiplo P/L e VPA muito atraente para o setor (Fosfértil com P/L em 23x e Yara Brasil 29x).
» Forte demanda com crescimento populacional e de renda. Setor em estágio inicial de ciclo de alta.
» Setor promissor de biocombustível/álcool.
» É indiferente a ‘modismo’ do setor agrícola, pois é utilizado em todos tipos de plantação (feijão, cana de açúcar, milho, soja, café, etc.)
» Forte crescimento nos resultados 1T08 (crescimento de 90% na EBTIDA e 81% na receita líquida).
» Redução em 31% nas despesas (de venda, gerais e administrativas). Com isso, a margem líquida subiu 7% em relação ao mesmo período do ano passado.
» Crescimento de 10% na fatia de mercado (Market Share subiu de 12,7% para 13,9%).
» Historicamente, o 3º e 4 trimestre apresentam resultados fortes e representam cerca de 70% das vendas. Por este motivo, pode ser interessante a compra desses ativos antes dos terceiro trimestre.

Pontos negativos:
» Crescimento no preço dos insumos para produção em mais de 70% nos últimos 12 meses.
» Redução na margem de lucro dos agricultores pode ser negativa para o setor, ainda mais com a valorização do real no curto-prazo.
» Sazonalidade causa discrepância nos resultados trimestrais.
» Boa parte dos insumos para produção dos fertilizantes são importados, o que pode ser negativo (mercado prevê valorização do dólar no longo prazo). Essa dependência cambial não pode ser compensada, já que a empresa está voltada para o mercado interno.

Mangels (MGEL4)

Setor
Rodas e Aço
Preço Atual
R$ 16,78
Valor de Mercado
R$ 294 milhões
P/L
7,76x
P/VPA
1,4x
Crescimento PL 5a
25%
ROE
18%
Liquidez Corrente
2.13
Endividamento Geral
2.47
Download Relatórios

Pontos positivos:
» Extremamente beneficiada com aumento da venda de automóveis
» Alongamento do financiamento do automóvel deixa mais dinheiro para usuários gastaram com acessórios (rodas de liga leve).
» Maior plano de investimentos da história, iniciado em 2007. No total, estão sendo investidos R$ 192 milhões entre 2007 e 2009.
» Mercado de aço aquecido (construção civil e setor de automóveis). A empresa vende para setores: automobilístico, construção civil, autopeças, eletrodomésticos.
» 94% da receita está ligada ao mercado interno, que é o mais beneficiado com o Investment Grade.

Pontos negativos:
» Endividamento elevadíssimo (Divida Bruta/Patrimônio está em 174%).
» Margem líquida apertada de 6%. A empresa precisa trabalhar para melhorar esta margem, com corte de despesas.
» Crescimento do patrimônio líquido baixo para o setor. De 2001 para 2008 o PL subiu apenas 42%, de 140 milhões para 200 milhões. Com este novo plano de investimento a empresa deve acelerar este crescimento nos próximos anos.

O indicador P/L

Um dos indicadores mais utilizados para análisar uma ação é o Preço/Lucro, também conhecido como P/L. Resumidamente, esse indicador nos dá indícios se uma ação está barata ou cara.

O P/L é um indicador bastante simples e é um bom critério de comparação entre duas empresas de um mesmo setor.

Um exemplo prático, o P/L da GGBR4 (Gerdau) está nos dias de hoje em 24,41 e o da USIM5 (Usiminas) em 15,00. Comparando os dois papéis poderiamos dizer que USIM5 está mais atraente do que GGBR4 pois seu P/L é menor.

Uma analogia simples e explicativa para entender o P/L é a seguinte: Suponha que você tenha investido R$1000 numa empresa cujo P/L é 8. Esse indicador diz que em 8 anos, você terá um lucro de igual ao valor que comecou, ou seja, um lucro de R$1000.


Problemas do P/L

O P/L é um belo indicador porém NUNCA deve ser a única forma de análise de uma empresa. Ele deve ser usado como um critério a mais na sua decisão, mas não ser a base dele. O Preço/Lucro não responde bem para várias situações, entre elas posso citar algumas:

  • Empresas com crescimento anormalmente rápidos podem ser boas para investir e ter o P/L distorcido devido a esse crescimento
  • Comparar P/Ls de empresas de diferentes setores pode ser perigoso. Por exemplo, O P/L de papéis de empresas de tecnologia, que contam com maiores perspectivas de crescimento, tende a ser mais elevado que o indicador para o setor de energia elétrica.
  • Um evento atípico pode fazer o lucro de uma empresa crescer astronomicamente e como consequência, seu P/L diminuirá. Por ter sido um evento não-comum, pode ser perigoso levar em conta o P/L dessa empresa.
  • Diferenças na contabilidade do cálculo do Lucro de uma empresa pode gerar um P/L irregular
  • A regra de que o P/L é igual ao número de anos necessários para ter um lucro igual ao seu dinheiro investido inicialmente quase nunca é valida pois o P/L varia muito com o decorrer do tempo.

Então por que usar o P/L?

O indicador, atrelado a uma análise das perspectivas da empresa podem indicar uma boa compra. Se uma empresa tiver uma boa rentabilidade, bons lucros, e não houver nenhuma razão para uma deterioração, um P/L baixo é atrativo, especialmente se estiver inferior ao seu nível histórico.

Como calcular um P/L?

Essa é a parte chata que todo mundo pula! Se preferir, entre direto nesse site, coloque a ação que deseja ter o P/L e pronto: http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=PETR4&tipo=1

Agora se você é curioso, calcular o Preço/Lucro não é dificil. A formula é simples:

Formula do P/L

O númerador é o preço por ação, aquilo que você acompanha todo dia no site. O denominador é o lucro da empresa dividido pelo número de ações disponíveis no mercado.

Vamos a um exemplo prático, o da BBAS3 (que só possui ações ordinárias e facilitam o cálculo) com os valores de hoje (19/05/2008) retirados desse site: http://www.fundamentus.com.br/detalhes.php?papel=bbas3&x=823&y=71

  • Preço da ação: 29,90
  • Quantidade de ações ordinárias disponíveis no mercado: 2.542.180.000
  • Lucro líquido nos últimos 12 meses: 5.996.790.000

Fazendo umas continhas para achar o lucro por ação:

  • Lucro por ação = Lucro líquido / Quantidade de ações
  • Lucro por ação = 5.996.790.000 / 2.542.180.000
  • Lucro por ação = 2,359

Aplicando a fórmula do P/L com os dados

  • P/L = Preço da ação / Lucro por ação
  • P/L = 29,90 /2,359
  • P/L = 12,67

Obs.: Para papéis tipo PETR4 que possuem ações ordinárias e ações preferenciais o cálculo muda um pouco, é necessário fazer soma ponderada do Lucro por ação. Para termos didáticos, usei o BBAS3.

Jovens e o IPO da BM&F – O que deu errado?

A maioria das pessoas se interessa por ações quando todo mundo está interessado. O momento de interessar-se é quando ninguém mais se interessa. Não se ganha dinheiro comprando o que é popular.”

Essa frase é do mais bem sucedido investidor do mundo, Warren Buffett. Acostume-se com este nome, pois será citado freqüentemente neste blog!

Quem diria que as ações da BM&F cairiam 50% apenas 5 meses depois do seu IPO, dia no qual as ações fecharam com incrível valorização de 22%?

Assim como os jogos de azar, as decisões na bolsa de valores são freqüentemente afetadas pela ganância humana. Grandes lucros no curto prazo são tentadores, mesmo para investidores disciplinados.

Escrevo este post pois presenciei muitas histórias de jovens que apostaram na BM&F por puro “modismo”. Isto não seria tão grave se a quantia investida não representasse grande parcela do patrimônio (ou as vezes até mais do que o patrimônio).

O que aconteceu foi que muitos apostaram dinheiro que não tinham (veja que existe uma enorme diferença entre apostar e investir). Soube de casos de jovens que se alavancaram com empréstimos de mais de R$ 20 mil.

O IPO da BM&F veio logo após o da Bovespa e Redecard, que renderam no primeiro dia nada menos do que 50% e 20% respectivamente. Tamanha foi a repercussão dessas duas “jóias” que milhares de pessoas que nunca haviam aplicado diretamente na bolsa, resolveram investir no IPO da BM&F, esperando assim uma lucratividade semelhante no curto prazo. Foram 260 mil pessoas físicas que investiram, batendo de longe o recorde de 64 mil na Bovespa. Aposto que a maioria delas não sabia que o dinheiro da oferta foi para os bolsos dos antigos donos (bancos) e não foi reinvestido na empresa (Santander, Pactual, Itaú levaram no total mais de 250 milhões de reais).

Feliz foi aquele que conseguiu ter sangue frio de vender suas ações no começo do pregão, quando as ações chegaram a bater 30% alta. Felizes foram os ex-sócios, que conseguiram lucros astronômicos. Semana a semana, os novos investidores observavam as ações da BM&F derretendo, até chegar à mínima de R$ 12,65 no dia 24 de abril – uma queda de 50% para quem resolveu comprar as ações no dia de abertura.

Mas, o que deu de errado?

Muita especulação pode ser feita sobre o que deu errado, é mais fácil analisar quando tudo já passou. Vou listar alguns fatores abaixo, para no final dar minha explicação fundamentalista.

  1. Primeira grande queda: “Crise subprime do Estados Unidos“– A grande realização (venda de ações) que a aconteceu na bolsa brasileira em Janeiro de 2008 devido a crise de crédito imobiliário derrubou o índice Ibovespa em mais de 20%. Exatamente no mesmo período, as ações da BM&F cairam 40%. Coincidência? Não!
  2. Segunda grande queda: O dia 22 de abril marcou o fim do lock-up de venda do lote remanescente do IPO, ou seja, apenas a partir nesta data os acionistas majoritários que entraram na oferta poderiam vender suas ações. O mercado antecipou essa reação. A menor cotação da história da BM&F foi dois dias depois. Coincidência? Com certeza não!
  3. O guidance do volume de negociação previsto pela BM&F foi exageradamenta alto e não se consolidou no primeiro trimestre (ou seja, os objetivos de crescimento da BM&F não foram atingidos).
  4. Grandes bancos já estão expostos ao risco do mercado de renda variável. Investir na Bovespa ou BM&F seria duplicar este risco.

Tudo isso explica a grande queda nas ações da BM&F?
Eu ainda acho que não! Uma ação com bons fundamentos e operando próxima ou abaixo de seu preço justo não teria tamanha queda. Vide exemplo das bluechips (Petrobrás, Vale, Gerdau) que cairam menos de 20%.

Explicação Fundamentalista

Para quem gosta de investir o dinheiro ao invés de apostar, bastava uma rápida análise nos número da empresa, mesmo que superficial, para descobrir que a ação já estreava na bolsa com valor estupidamente acima do justo. Parte disso se deve a lei da oferta e da procura, pois cada investidor (pessoa física) só conseguiu 91 ações no rateio do IPO e muitos queriam mais.

Vamos calcular o múltiplo P/L, o principal indicador da análise fundamentalista (exatamente o mesmo cálculo que fiz antes de decidir sobre a compra de BM&F):

Cálculo do P/L

– Lucro Líquido projetado de 2007: R$ 296.000.000
– Numero de ações: 901.877.292
– Preço por ação: R$ 25,00
– Lucro líquido por ação: 0,3285
– P/L: 76x

Eu, particularmente, tenho uma carteira com P/L próximo de 14x. Mas seria injusto comparar uma empresa de crescimento alto com uma carteira multi-setorial. Podemos compará-la com os múltiplos da BM&F dos Estados Unidos, a famosa Nymex. Pelo site da Business Week vemos que o P/L atual é 39x.

A grosso modo, a BM&F estaria quase 2x mais cara que a Nymex! Um investidor puramente fundamentalista não compraria uma ação nessa situação!

Mas eu também errei!

Eu, investidor de longo prazo fundamentalista, analisei a empresa antes de reservar meu lote no IPO e resolvi entrar (primeiro erro). Vendi logo na estréia a R$ 25,59, embolsando um lucro de 27,9% (a máxima chegou a 26, ou seja, vendi muito bem).

Apesar de avisar algumas pessoas que a ação estava cara, contrariei todos meus princípios e resolvi comprar 1 lote a R$ 22,80 pouco depois do IPO. Não sei se foi ganância ou cegueira causada pelo mercado. Afinal, eu deveria estar enganado! Todos animados e acreditando no papel, porque não? (Segundo erro).

O que podemos aprender com isso?

  1. Acredite em você, não no mercado. Trace uma estratégia para sua carteira e siga a risca, sem se preocupar com o que o comentário geral. No curto prazo, o mercado é imprevisível!
  2. Nunca compre uma ação na alta, pois a euforia do mercado costuma elevar os preços acima do valor justo. O investidor de sucesso costuma comprar ações sub-precificadas, normalmente na baixa. Assim faz Warren Buffett na Berkshire. Assim está fazendo a GP Investimentos aqui no Brasil, ambas atuam bastante na área de Private Equity (a GP é a maior da América Latina neste mercado).
  3. Antes de comprar, analise a empresa, não compre as cegas! Pretendemos fazer um guia básico de como interpretar um relatório trimestral ou anual, quais números são importantes, quais indicadores calcular.

Apenas para ilustrar, isso já aconteceu no passado e as perdas foram muito maiores. Na última edição do livro The Intelligent Investor (o mais famoso livro fundamentalista) é citado o exemplo do IPO da VA Linux, que estreou na bolsa com pico de alta quase 700%. A ação chegou a valer US$ 320,00 no primeiro pregão. Passada a euforia, o preço justo apareceu e a ação foi precificada abaixo de US$ 5,00 (Uma perda de 98% do capital para quem comprou no topo). Hoje em dia são cotadas a míseros US$ 1,68 (LNUX).

Em breve teremos o IPO da Visanet do Brasil. Iremos analisar a Visanet do Brasil para compará-la com a Redecard (Brasil), Amex, Mastercard e Visa (Estados Unidos).

A nossa maior ambição ao fazer este blog é ajudar os jovens investidores a começarem a investir com consciência. No dia-a-dia e na internet vejo muitas histórias reais de pessoas que começaram a apostar em ações, sem ao menos gastar um tempo para estudar e entender o mercado.

Obs: Não cheguei a analisar os papéis da Bovespa e BM&F no presente, estou mais focado em descobrir small caps com grande potencial. Estima-se uma redução da ordem de 20% nas despesas (conhecida no mercado como economia de “sinergia” na fusão de duas empresas). O sêlo de Investment Grade concedido pela Standard & Poors vai aumentar os lucro no longo prazo. Parte disso já está sendo precificado novamente e a BM&F voltou a casa dos R$ 18,00.

Página 5 de 6« Primeira...23456